COMANDANTE DO EXÉRCITO DESCARTA INTERVENÇÃO MILITAR SUGERIDA POR GENERAL.

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, afirma que “não há qualquer possibilidade” de intervenção militar no Brasil, em resposta ao general Antônio Mourão, que levantou a possibilidade no caso de o Judiciário “não resolver essa questão” política; “Desde 1985 não somos responsáveis por turbulência na vida nacional e assim vai prosseguir. Além disso, o emprego nosso será sempre por iniciativa de um dos Poderes”, diz o comandante Villas Bôas; ele diz ainda que teve uma conversa com Mourão e que o problema “já está superado”.  Sempre polêmico, o general do Exército Antônio Hamilton Martins Mourão afirmou na última sexta-feira que é possível uma intervenção militar no Brasil, caso a crise política que o país atravessa não seja solucionada pelas próprias instituições. As afirmações de Mourão foram feitas em uma palestra realizada na Loja Maçônica Grande Oriente, em Brasília, horas após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciar o presidente Michel Temer (PMDB) pela segunda vez, por obstrução de Justiça e organização criminosa. “Ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso”, disse Mourão. “Desde o começo da crise o nosso comandante definiu um tripé para a atuação do Exército: legalidade, legitimidade e que o Exército não seja um fator de instabilidade”. O general destacou que a necessidade de “impor uma solução” poderia trazer “problemas”, mas que os militares possuem “compromisso com a Pátria, independente de sermos aplaudidos ou não”. “O que interessa é termos a consciência tranquila de que fizemos o melhor e que buscamos, de qualquer maneira, atingir esse objetivo. Então, se tiver que haver haverá”, destacou. Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, a fala de Mourão causou desconforto em oficiais-generais do Exército. Ouvido pela publicação, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, voltou a dizer que “não há qualquer possibilidade” de intervenção militar. “Desde 1985 não somos responsáveis por turbulência na vida nacional e assim vai prosseguir. Além disso, o emprego nosso será sempre por iniciativa de um dos Poderes”, avaliou. Ele ainda revelou que teve uma conversa com Mourão e que o problema já estaria “superado”. O próprio general, diante da repercussão, negou que estivesse “pregando intervenção militar”, dizendo que a interpretação das suas palavras “é livre”, já que falava em seu nome, e não no do Exército. Em 2015, Mourão se envolveu em outra polêmica. Ele perdeu o posto do Comando Militar Sul depois de atacar a então presidente Dilma Rousseff (PT), afirmando que o impeachment dela não traria mudança significativa e que “a vantagem da mudança seria o descarte da incompetência, má gestão e corrupção”. Desde então, Mourão responde como secretário de economia e finanças do Exército.Comandante do Exercito general Eduardo Villas Boas. (Foto divulgação).

Deixe uma resposta