Última semana de vacinação contra a gripe H1N1 em Jequié

Com o objetivo de atingir a meta de vacinação do Ministério da Saúde
contra a Influenza, o vírus da gripe, a Prefeitura de Jequié, através da
Secretaria de Saúde e Vigilância Epidemiológica, continua atendendo ao
grupo prioritário nas Unidades de Saúde até a próxima sexta-feira, dia 15,
para serem imunizados. São crianças de 6 meses a menores de 5 anos;
gestantes; puérperas (até 45 dias após o parto); trabalhadores de Saúde;
povos indígenas; indivíduos com 60 anos ou mais de idade; população
privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; professores da rede
pública e privada; pessoas portadoras de doenças crônicas não
transmissíveis; pessoas portadoras de outras condições clínicas especiais
(doença respiratória crônica, doença cardíaca crônica, doença renal
crônica, doença hepática crônica, doença neurológica crônica, diabetes,
imunossupressão, obesidade, transplantados e portadores de trissomias).
A meta é de levar a vacinação para 90% de todas as categorias do grupo
prioritário. De acordo com a diretora do Departamento de Vigilância Epidemiológica,
Priscilla Barros, embora, no geral 66.92% de pessoas do grupo prioritário
tenham sido atendidas e imunizadas nas Unidades de Saúde do município,
algumas pessoas, entre elas, crianças de 6 meses a menores de 5 anos,
gestantes e indivíduos com 60 anos ou mais de idade, ainda não chegaram
ao índice ideal estabelecido pelo Ministério da Saúde, na campanha de
combate ao vírus da gripe. “A vacinação é a forma mais eficaz de prevenção contra o vírus Influenza e ela previne contra os três tipos de vírus: Influenza A H1N1, H3N2 e Influenza B. É importante a intensificação do alerta para que a população procure  imediatamente os Postos de Saúde. Algumas categorias do grupo prioritário
já ultrapassaram o percentual de 90% estabelecido pelo Ministério da
Saúde e outras não. É importante a conscientização, especialmente desses
grupos que não atingiram o índice para que recorram a prevenção, em
colaboração à saúde pública.”, disse o secretário de Saúde, Hassan Iossef.

 

Deixe uma resposta