Prefeitura de Jequié apoia mais uma edição do ‘Festival de Capoeira Vem Vadiar’

Com apoio da Prefeitura de Jequié, por intermédio da Secretaria de Cultura e Turismo, acontecerá, nos dias 17 e 18 de agosto, a sexta edição do ‘Festival de Capoeira Vem Vadiar’, promovido pelo grupo Águias Acrobatas, de Jequié, e que terá como tema: ‘Vivência de Capoeira’. O festival, que contou com o apoio da Prefeitura de Jequié, também, em 2017, terá a participação do mestre Camaleão, da Escola de Capoeira Filhos de Angola, que fica na cidade de Marselha, na França; da contramestre Bibinha, de Salvador; do mestre Esquilo, de Belo Horizonte; do mestre Nenel, do município de Ipiaú, dentre outros praticantes e admiradores da Capoeira. Segundo o secretário de Cultura e Turismo, Alysson Andrade, com base em informações dos organizadores, o festival está previsto para ser realizado no ginásio de esportes da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), em Jequié, no dia 17, a partir das 14h, e no dia 18, a partir das 9h. O evento deverá reunir alunos, mestres, dentre outros interessados na prática. Símbolo da resistência negra, a capoeira surgiu no século XVII, praticada por escravos africanos como uma mistura de luta, dança e música. Era uma forma que os escravos tinham de se socializar e lembrar suas origens. Em 2008, a capoeira foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Já em novembro de 2014, a partir de deliberação coletiva durante a 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Imaterial, que aconteceu em Paris, a capoeira se tornou a quinta manifestação cultural brasileira reconhecida pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. O título teve entre os seus objetivos ajudar a preservar a prática não apenas no Brasil, mas, também, em todo o mundo. “Antes da valorização da capoeira, enquanto importante atividade física, devemos apoiar esta manifestação, sobretudo, pelo reconhecimento às raízes africanas, que devem ser cada vez mais valorizadas pelo Estado, como símbolo do resgate histórico de nossa cultura e ancestralidade e, principalmente, por sermos, enquanto gestores públicos, os responsáveis por salvaguardar e divulgar a cultura da nossa terra, da nossa gente!”, destacou o secretário de Cultura e Turismo, Alysson Andrade.A 6ª edição do ‘Festival de Capoeira Vem Vadiar’, promovido pelo grupo Águias Acrobatas. (Foto Divulgação).

Deixe uma resposta