Educação do município de Jequié para.

A rede de educação do município de Jequié parou a partir desta quinta-feira (15.08.) uma greve geral que foi decidida em assembleia geral. Essa é a resposta dos professores devido à falta de pagamento da Valorização/Regência, retirada indevidamente pelo governo municipal através do Decreto Nº 20.091/2019, publicado na terça-feira, 6 de agosto. Foi aprovado também pelos professores o Mandado de Segurança Coletivo em nome da APLB Sindicato para buscar anular imediatamente o Decreto por violação do processo legal. A primeira atividade da Greve está agendada para hoje às 8 horas. Será uma grande Caminhada com concentração na Praça Rui Barbosa, indo até a Prefeitura Municipal e lá encerrar com um ato. A APLB solicita o engajamento dos professores na mobilização e a compreensão de pais, mães e estudantes neste momento delicado que passa a educação municipal, “queremos que o movimento de greve ganhe a sociedade, precisamos unir forças pois esse decreto afeta o bom funcionamento da educação municipal e causa um problema social entre os seus profissionais. Ao todo, foram afetados com a retirada da Valorização/Regência 520 trabalhadores. Professores desvalorizados, desmotivados e adoecidos não é o que queremos para uma educação pública de qualidade. Vamos ganhar a sociedade com a nossa verdade e coragem, pois esse ato do prefeito consiste em uma política maldosa de redução salarial”, afirmou a diretora da APLB, Caroline Moraes. O prefeito de Jequié Sergio da Gameleira fez uma peregrinação em algumas emissoras de radio para tentar justificar o seu ato, querendo minimizar o problema que irá prejudicar em muito o ano letivo, caso a greve venha permanecer por muito tempo.Professores definiram em assembleia geral uma greve por tempo indeterminado. (Foto Divulgação).

Deixe uma resposta