Acidentes de trânsito incapacitam quase mil pessoas em Feira de Santana em 2018

 Por Daniela Cardoso e Ney Silva (Acorda Cidade)

Os dados são preocupantes quando o assunto é trânsito em Feira de Santana. A alta velocidade é que mais faz vítimas na cidade. Em 2018, cerca de mil pessoas ficaram invalidas de forma permanente. Segundo o coordenador de educação para o trânsito da Superintendência Municipal de Trânsito (SMT), Adelmo Amorim, as infrações praticadas em Feira de Santana é um retrato do que ocorre no Brasil. Ele avalia que o cidadão cobra muito, mas deixa de cumprir sua obrigação no trânsito. “As pessoas cobram uma educação por parte do poder público, quando na verdade a educação que realmente pode mudar o trânsito, tem que começar vindo de casa. A gente trabalha com crianças e percebemos que elas gostam de fazer o certo, mas infelizmente o costume de ver os pais fazendo errado no trânsito, acaba confundindo a cabeça da criança que cresce achando que aquilo é o certo”, disse. O coordenador de educação para a o trânsito destaca que as pessoas ignoram muito o risco que correm quando desobedecem às normas de trânsito. Ele lembra, por exemplo, que o pedestre não pode transitar no meio da via, no meio dos carros e que o ideal é que se procure a faixa de pedestres. Por outro lado, conforme afirmou, os veículos precisam respeitar essa relação, respeitar o pedestre sempre dando preferência de passagem, como determina o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Infrações mais cometidas no trânsito de Feira

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

Adelmo Amorim informou ao Acorda Cidade que a principal infração de trânsito mais cometida pelo motorista feirense e, inclusive, a mais perigosa com maior índice de mortes, é a alta velocidade. Além disso, segundo ele, outra infração perigosíssima que ocorre bastante em Feira é a invasão de sinal. Logo em seguida vem o uso de celular ao volante e estacionamento em local proibido. “Os motoristas precisam lembrar que nem todo mundo é condutor, mas todo mundo é pedestre e a principal regra do trânsito é o respeito. Se não houver o respeito, a tendência é piorar os dados relacionados a acidentes de trânsito. São cerca de 140 pessoas que morrem por dia no Brasil em acidentes de trânsito. 90% dessas mortes ocorrem por falha humana. É o cidadão que não obedeceu a sinalização”, afirmou.

Uso do celular

O uso do celular ao volante é outra infração frequente no trânsito de Feira de Santana. Adelmo Amorim lembra que não só os condutores de carros e motos, mas também os pedestres estão cada vez mais distraídos ao usar o aparelho, o que pode aumentar a chance de ocorrer um acidente. “Quando a pessoa usa o celular e dirige, aumenta em 400% as chances de acidente. É como se ela por alguns segundos tivesse transitando vendado e hoje vemos as pessoas até de motocicleta no celular, os pedestres estão no celular, de forma totalmente desatenta ao que ocorre ao redor. As pessoas estão transitando as cegas e talvez aí a gente possa perceber o porquê de uma quantidade tão alta de acidentes que ocorre todos os dias”, analisou em entrevista ao Acorda Cidade.

Ações da SMT para educação no trânsito

O coordenador de educação para o trânsito da SMT informou quais são as ações do órgão em Feira de Santana. Segundo ele, do ano passado para cá essa questão está sendo bastante trabalhada, inclusive com a iniciativa de formar um núcleo com dedicação exclusiva para educação no trânsito. “A intenção é justamente passar essas informações, trazer esses dados para que as pessoas conheçam os riscos e perigos que existem no trânsito. A maioria das vezes, a gente percebe que as pessoas ignoram, fingem que os acidentes podem acontecer com qualquer um menos com elas, mas na verdade o grande trabalho da educação para o trânsito que a gente faz é de alertar e conscientizar as pessoas para os riscos que as vezes elas mesmas se coloca. Isso mata muito no trânsito”, afirmou.

Prejuízos

Adelmo Amorim destacou em entrevista ao Acorda Cidade que mesmo quem nunca se envolveu em acidentes de trânsito ou não conhece pessoas que já se envolveram, sofre em decorrência deles. Ele destacou que todos pagam a conta com relação aos acidentes de trânsito. “Quando você chega ao hospital com a necessidade de uma vaga de UTI não tem vaga, pois quase 80% dos leitos estão ocupadas por pessoas que se envolveram em acidentes de trânsito, principalmente moto, que representa quase 80% dos acidentes. Desse percentual, mais de 60% já se envolveu em outros acidentes de moto. O vai ao pronto-socorro e não tem médico disponível, liga para o Samu e a ambulância está atendendo acidente de trânsito. A pessoa tenta chegar ao aeroporto pra viajar e não consegue, pois o trânsito está parado por conta de um acidente, então isso tudo é prejuízo”, afirmou.

Projeto Via Livre

Foto: Secom

O coordenador ainda falou sobre o Projeto Via Livre, desenvolvido pela SMT com o objetivo de disciplinar o trânsito em vias próximas a escolas. Segundo Adelmo Amorim, esse projeto também trata sobre educação no trânsito. “Fazemos um trabalho muito bom internamente com os alunos e consoante a isso, trabalhamos praticamente o ano inteiro dando palestras em escolas. Temos parcerias com escolas e outras entidades para que todos trabalhem em prol de um trânsito mais seguro”, destacou. (Matéria do site Acorda Cidade).

 

Deixe uma resposta