Como surgem as cidade e o urbanismo.

As pesquisas indicam que o homem apareceu na face da terra há alguns milhões de anos e durante um longo período viveu coletando seu alimento e procurando abrigo no ambiente natural. Para a arqueologia, a história da civilização humana começa na pré-história e continua na história até o presente século. O estudo da Pré-história é muito difícil, pois depende da análise de documentos não escritos, como restos de armas, utensílios de uso diário, pinturas, desenhos, etc. De acordo com ARRUDA (1993), os estudiosos em geral costumam distinguir três grandes etapas na revolução do homem durante a Pré-história: a antiga Idade da Pedra ou Paleolítico Inferior (500 000 –
30 000 a.C.) e o Paleolítico Superior (30 000 – 18 000 a.C.); nova Idade da Pedra ou Neolítico (184000 – 5000 a.C.) e a Idade dos Metais (5000 – 4000 a.C.). Ressalta-se que, convencionalmente, a divisão entre História e Pré-história tem como marco a invenção da escrita, ocorrida por volta do ano 4000 a.C. Durante o período da Idade da Pedra (Paleolítico Inferior), o homem vivia em um estado cultural voltado para a caça, pesca, recolhendo alimentos da própria natureza e começando a fabricar os primeiros instrumentos (arcos e setas, objetos de pedra, etc.). No período Paleolítico Superior, ocorre uma diminuição das habituais fontes de carne, provavelmente em virtude das extremas variações de calor e frio, chuva e secas ocorridas nesse período. O homem para subsistir, volta-se, em grupos, à atividade da colheita. Objetos encontrados,pertencentes a essa época, revelam progressos consideráveis na fabricação de instrumentos: por
exemplo, serras de madeira com filas de pequenas lascas geométricas de pedra, para servirem de dentes. A necessidade de segurança, convivência, permuta e, principalmente, da impossibilidade da comunidade subsistir sem alimento, leva essas comunidades a passarem do estágio de nomadismo para a fixação em locais específicos.
Quando o homem sai do estágio da colheita, e começa a desenvolver técnicas de pastoreio e agricultura, tem-se o início do período neolítico ou a nova Idade da Pedra. Neste estágio civilizatório, o homem passa também a organizar o espaço em que habita, a irrigar o solo, a selecionar sementes e cultivar algumas plantas comestíveis, a domesticar um pequeno número de animais, a fabricar objetos de cerâmica, conhecer as estações do ano e, conseqüentemente, começa a modificar seu meio ambiente.
No fim do Paleolítico Superior existiu uma fase de transição para o período Neolítico, chamada Mesolítico. Nesse período aumentou a precisão dos trabalhos em osso, preparando a verdadeira revolução que ocorreria na época neolítica. (ARRUDA, 1993)
Segundo MCEVEDY (1990), a “transição do modo de vida do Mesolítico para o Neolítico é um momento de viragem, no desenvolvimento social e econômico do homem, comparável, em importância, às revoluções industrial e científica dos séculos XIX e XX. O contraste entre um acampamento mesolítico e uma aldeia de camponeses do Neolítico é tão frisante que justifica perfeitamente o termo UHYROXomR QHROtWLFD”. Convém destacar, entretanto, que as origens reais da agricultura continuam pouco compreendidas. O conhecimento da técnica de fundição dos metais inaugurou a Idade dos Metais (5000 – 4000 a.C.), fazendo com que o homem abandone progressivamente os instrumentos de pedra; inicialmente, predominavam a produção de cobre, do estanho e do bronze (3000 a.C. no Egito e Mesopotâmia). O ferro apareceu mais tarde (1500 a.C.), na Ásia Menor, ganhando preferência na fabricação das armas                      Brasilia é um exemplo de urbanismo de cidade do futuro. (Foto Produção).

Deixe uma resposta