A SEMANA – comentário do jornalista Ari Moura

Estamos chegando ao final do décimo primeiro mês do ano de 2020-Novembro, contagem regressiva para o final do ano. Uma situação muito ruim para o Brasil, ver as coisas como estão sendo conduzidas lá por Brasília, tanto pelo presidente Jair Bolsonaro como no Congresso Nacional, prevalece os interesses pessoais e os brasileiros ficam em terceiro e até quarto plano. O ministro da economia já está anunciando que a partir de janeiro o Governo Federal deve suspender ajuda emergencial que vem sendo paga a milhões de brasileiros, sabe Deus o que pode acontecer. A pandemia da coronavirus não foi embora, voltam a crescer os casos pelos estados, a vacina não chega e ninguém sabe o que pode realmente acontecer no ano que vai começar (2021). Como sempre digo o município, estado e a nação é como a família, a gente só deve fazer aquilo que esta ao nosso alcance. Se tem alguém na família que está doente não devemos ter gastos com festas, o mesmo digo com o Brasil, se a população enfrenta uma pandemia como esta, não se deve realizar réveillon e carnaval, não é hora para isso. Esta certo o prefeito de Salvador ACM Neto quando toma essa decisão, a população tem que entender, acho que já houve abusos na campanha eleitoral mas entre mortos e feridos salvaram muitos. Na Bahia o governador Rui Costa sofre nos bastidores políticos muitas criticas, tanto de opositores como de aliados, após o resultado das eleições em Salvador onde ele insistiu com o nome da major Denice Santiago, só deve melhorar ou piorar após os resultados nas eleições de Feira de Santana e Vitoria da Conquista que acontecem neste domingo. Em Jequié a poeira baixou um pouco, após o pleito eleitoral com os resultados para prefeito e vereador, bem verdade que o povo mandou seu recado com a votação que deu ao candidato James Meira. O prefeito eleito Zé Cocá já deu inicio a transição é o que se comenta, porque informação oficial ninguém tem, já estão anunciando futuros secretários municipais, eleição da mesa diretora da camara municipal, acordos sendo consturados para manter o vereador Emanuel Campos-Tinho de Waldeck no cargo, com os novos vereadores aceitando  por ai vai a nossa Jequié. Não sou daqueles de que: “Quanto pior melhor” mas sinto que tem muita gente tratando das coisas em defesa dos seus interesses próprios, Jequié fica para segundo plano. Não tenho nenhuma bola de cristal, mas quem viver verá o que vai acontecer daqui a dois anos com as eleições de 2022, quem vai apoiar quem, como serão as escolhas dos candidatos a deputado estadual e federal. O prefeito Zé Cocá só terá dois anos com o governador Rui Costa, se não conseguirem eleger um aliado a coisa pode ficar feia. CONTAGEM REGRESSIVA: Faltam 32 dias para Sergio da Gameleira deixar o cargo de prefeito de Jequié. Tenham todos uma otima semana e muita saúde…

Redação

Deixe uma resposta